Lectures

A Criança Morta: A Specter of the Past in the História of Zika

For Portuguese, click here.

In April 2018 the cover of one of Brazil’s most popular magazines, Veja, featured a reprint of a 1944 painting, A criança morta (a dead child), by neo-realist artist Cândido Portinari. The phrase, “Até a isso voltamos,” (trans. “We’ve returned to this point”) accompanied the image.

Veja’s editors invoked Portinari’s raw expression of loss and suffering among Northeastern Brazil’s flagelados (drought refugees) in the 1940s to indict the recent uptick in infant mortality rates following more than two decades of decline. Following Ministry of Health reports, Veja and other media outlets were quick to identify the Zika virus’ role in the 4.8% increase in infant mortality between 2015 and 2016, citing a reported 315 deaths resulting from the epidemic.

A number of commentators condemned Veja — well-known as a right-wing media outlet — for uncritically peddling such alarmist imagery in its cover story. The magazine, critics argued, also cynically disregarded its role as a key protagonist in the 2016 ouster of President Dilma Rousseff that resulted in economic and social chaos. Veja editors pointed to Zika while ignoring how austerity measures, including cuts to core social programs like the Bolsa Familia instituted by interim President Michel Temer (2016-2018), drove the increase in infant death rates. 

Veja’s cover also caught my eye as an historian of 20th-century Brazil interested in ties between maternal and infant health and nation-building. I was particularly intrigued by the repurposing of Portinari’s allegory of a criança morta in a 21st-century context and its links to the Zika-microcephaly epidemic. The cover brought to mind a conversation I had with a Brazilian academic in the early stages of my research. He cautioned me to be mindful about how I reproduce the trope of a criança morta, advising me not to use archival images of dead, debilitated, or abjectly poor children as “spectacles” in my work. He listed several examples of US-based scholars whose works projected these image in recent years. Indeed, when I surveyed the publications on my shelf, I saw various iterations of a criança morta staring back at me. The conversation forced me to reckon with the politics of “doing history” as an outsider in Brazil and how the circulation of images from the past can have unintended consequences in the present.

This essay considers the emergence of a criança morta — a shorthand for the omnipresent figuration of the dead, dying, or sickly child — at various points in Brazil’s history and examines the story of its domestic and global resurfacing as one among many complex histórias de Zika. I aim to trace how the image and idea of a criança morta emerging in the wake of the Zika and fetal microcephaly epidemic are part of a long series of hauntings in Brazil’s history. Yet, I also argue that the post-Zika era represents a rupture with the past – one in which the resilient energies and voices of mothers and children overwhelm the echoes of the criança morta.

Throughout the country’s recent history, various iterations of a criança morta have emerged at critical moments to mark Brazil’s modernization as illusory, as a façade veiling a macabre reality. It acts as a nexus between past and present and between what French sociologist Jacques Lambert famously identified as os dois Brasis (the two Brazils): one imagined as flourishing and modern and, the other, faltering and retrograde. Its enduring presence reminds Brazilians that decadência lurks just beneath the surface, waiting to claw the country back from its long ascent. And, contrary to Thomas Becon’s 16th-century proverb that “the dead cannot reveal any secrets,” in Brazil, a criança morta speaks volumes.

For example, it is no accident that music legend Caetano Veloso invokes the criança morta in his manifesto condemning the façade of modernization efforts during the early years of the military dictatorship. In the song “Tropicália,” released in 1968, Veloso sings that behind the futuristic grandeur of Brazil’s new capital and national palace in Brasília, one finds a dead child on her knees, reaching out for help. For Veloso, the lyrics expressed the irony of the state’s utopian vision of modernity, embodied by Brasília, superimposed on the archaic, monstrous reality of poverty and death.

And, more recently, a criança morta resurfaced during the 2016 Summer Olympics held in Rio de Janeiro. The staging of a secondary torch lighting ceremony near the city’s iconic Candelária church — the site of the 1993 police massacre of 6 street children (among other causalities) — concealed the area’s tragic history and the public memorialization of child death, “rebaptizing it as the Olympic Boulevard” (Gumucio and Schmidt 2018: 73).

Candelâria Massacre memorial-Rio de Janeiro. Photo by author.

During the event, upbeat music and fireworks distracted the public gaze away from the six red bodies, crianças mortas, that had been painted on the sidewalk near the church in 1993 to archive state violence. As Brazilians and the world cheered the Olympics as yet another touchstone of progress and development, a criança morta lay just out of sight. It served as a macabre reminder that this momentary ascendance onto the world stage not only supplanted the massacre’s memory, but perpetuated its violent legacy through the use of similar police “cleansing” operations that targeted and killed young, particularly brown and black, lives in the lead-up to the Olympics.

As a protagonist in what Debora Diniz calls the “third chapter” in Zika’s history— a phase of recovery and response— a criança morta reveals how the epidemic reanimated longstanding anxieties about how infant mortality and morbidity imperil the nation, its place in the world, and its future.

The first evocation of a criança morta emerged in early 2016 when Brazilian photojournalist Felipe Dana captured one of the most widely-circulated images of the Zika-microcephaly crisis. The photo captured four-month-old Jose Wesley Campos bathing in plastic bucket. Eventually known in the media as the “bucket baby” and the “poster baby” for Zika, Dana’s photograph offered viewers around the world a profoundly intimate look at the virus’ human toll.

Such images provoked a range of domestic and international responses to Zika. Fellow journalist Patricia Campos Mello argues that the media blitz featuring images of microcephalic infants galvanized the international attention from medical researchers, health officials, and the general public. She likened it to the photograph of the “boy on the beach” that brought global attention to the Syrian refugee crisis in 2015.[1] Dana’s photographs, while not depicting a dead child, invoked the idea of the criança morta by portraying Brazil as hostile to reproduction and fledgling life.

Street art depicting Alan Shenu in Sorocaba São Paulo, Brazil

Indeed, images of the “bucket baby,” as well as others portraying Zika-affected infants, directly stoked both domestic and international fears about Brazil hosting the Summer Olympic/Paralympic games. As the photograph circulated in the media, a number of well-known athletes directly cited the potential threat Zika posed to their reproductivity. Despite the international media’s focus on risks to pregnant women, most of the athletes recusing themselves from the games were men.

South African golfer, Charl Schwartzel, among many others, cited anxieties about the virus affecting his wife’s future pregnancies, stating, “if I didn’t want to have children, or if I were single, I’d play.” John Speraw, coach of the US Men’s volleyball team, declared that he would freeze his sperm in advance of the games in case he contracted the virus. For these participants, the scourge of Zika-microcephaly, despite lower contagion risks in Rio de Janeiro, created an imaginary in which the specter of Brazil’s criança morta, prefigured by images like the “bucket baby,” might jeopardize their own progeny.

These fears dominated in mainstream narratives about both Zika and the Olympics, once again shrouding the country under the specter of the stricken, debilitated child. It is critical to note that these perspectives of mostly white, male athletes from abroad overshadowed of those most affected by the Zika-microcephaly epidemic: poor, black women living in Northeastern Brazil.

Nearly a century earlier, similar fears and anxieties over a criança morta loomed large over another international event that brought international audiences to Brazil. During the 1922 Independence Centennial — an event that drew nearly 300,000 visitors from across the world — organizers hoped to forefront the country’s march towards modernity while downplaying the raw realities of high infant mortality and poor child welfare (Wadsworth and Marko 2001). The event included a special focus on Children, in the form of a Children’s Museum, that exhibited the medical and philanthropic strides Brazil had made in improving child welfare since its independence in 1822. Organizers hoped to convey Brazil as a modern pater-patriae, a paternalistic nation that saw the protection of its youngest generations as the ultimate fulcrum of progress (Wadsworth and Marko 2001).

Yet, for all its performative gestures towards child health and welfare, the 1922 Centennial celebration belied the dark underside of Brazil’s 20th-century transition into ‘modern’ nationhood. Unlike most of its neighbors in South America and the countries its upper classes hoped to emulate (United States and Western Europe), Brazil’s infant mortality rate showed no signs of decline. Available records reveal that around 1/5 of infants died before reaching age one, making the national infant mortality rate 200 per 1,000 live births.[2]

Localized rates, particularly in the Northeast, were considerably higher, even reaching nearly 350 per 1,000 live births. In a report summarizing the 1922 Centennial Exhibit, Dr. Fernandes Figueira wrote that Brazil’s infant mortality rate placed the country in a “most humiliating condition of inferiority” vis à vis  the majority “civilized” Western nations. Echoing this sentiment, organizers explicitly downplayed high infant mortality at the Centennial Exhibit. Instead, they emphasized what they saw as Brazil’s robust rates of fertility and low overall death rates. One display in particular charged that Brazil was a country whose birth rate auspiciously exceeded its death rate. The graphic conveniently omitted any mention of the country’s staggering infant mortality rates.

“O Brasil Amado,” Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro

The strategic occlusion of a criança morta at the 1922 Centennial spoke volumes about the ways in which Brazil hoped to project itself as a part of the modern “concert of nations.” In stark contrast to the reality of high rates of infant mortality and morbidity, the Centennial image casts a generation of healthy, white infants as the quintessence of “Order and Progress.” The infant pictured here counterposes the criança morta, while also signaling a triumph over the country’s pre-colonial past, symbolized by the indigenous figure.

Returning to Veja’s use of Portinari’s painting in 2018,we find that this figure continues to evoke deep-seated anxieties about the state of Brazil’s development and the ways in which dead and sickly children often represent the nation. In the 1940s, social commentators worried that Portinari’s paintings would project the idea, specifically in Europe, that Brazil was a tropical wasteland hostile to young life.

Similarly, in 2018 some Brazilian commentators worried about the recirculation of Portinari’s painting on Veja’s cover. One article alleged the cover art “exposed a country ravaged by the crisis (of Zika), entangled with sicknesses of the past.” In both contexts, such fears pivoted around the symbolic cache of a criança morta whose transhistorical symbolic presence undermines Brazil’s (particularly upper-class Brazilians’) aspirations for modernity, prosperity, and the nationalist imperative of “order and progress.”

Yet, today, on the other side of the Zika-microcephaly epidemic, some Brazilians are refashioning the trope of a criança morta into a criança viva (living child), one whose fate is not predetermined by the scripts of the past. For example, in 2019, photographer Andréa Leal created a public exhibition of photos, “Toda Criança é Especial” (every child is special), featuring children affected by Zika-microcephaly. Opening in the state of Pernambuco, one of the regions most affected by the epidemic, Leal hoped to counter hegemonic narratives of suffering associated with Zika-microcephaly. Instead, she projects images, in her words, “of courage, triumph, solidarity, and, above all, love.”

Her work joins the efforts of grassroots advocacy groups like the União de Mães de Anjos (Union of Mothers of Angels). Formed by two mothers in a hard-hit region of Northeastern Brazil in 2015, prior to the full-scale epidemic, the group provides resources and a support network for families seeking care for their children. Today, their network of partners has assisted more than 400 families. And, as Eliza Williamson reminds us, these efforts connect with other storytelling projects, like After Zika, that center the experiences and voices of families affected by the epidemic.

These initiatives not only help rupture the enduring pathology of the criança morta, but contribute to a new chapter in the complex anthology of histórias de Zika. Voiced from the perspective of those most embedded in the epidemic and its fallout, namely mothers and children in Brazil’s Northeastern region, this new history may finally lay a criança morta to rest.


[1] Intriguingly, a street artist in Sorocaba, Brazil painted an image of “the boy on the beach,” Aylan Kurdi (Alan Shenu) in 2015.

[2] Though federal censuses held in 1890 and 1920 revealed some trends, data on infant mortality remained incomplete largely due to significant gaps in the registration of live birth. See, for example, Mara Loveman, “Blinded Like a State” (2007). For reference, estimated rates in the United States were around 80 per 1,000 live births in 1920.


A Criança Morta: um fantasma do passado na história de Zika

Em abril de 2018, a capa de uma das revistas mais populares do Brasil, a Veja, apresentou uma reimpressão da pintura de 1944, A criança morta, do artista neo-realista Cândido Portinari. A frase “Até a isso voltamos” acompanhou a imagem.

Com isso, os editores da Veja invocaram a expressão crua de perda e sofrimento de Portinari sobre os flagelados do nordeste do Brasil (refugiados da seca) da década de 1940 para indiciar o recente aumento nas taxas de mortalidade infantil após mais de duas décadas de declínio. Embasados nos relatórios do Ministério da Saúde, a Veja e outros meios de comunicação foram rápidos em identificar o papel do vírus do Zika no aumento de 4,8% na mortalidade infantil entre 2015 e 2016, citando 315 mortes relatadas resultantes da epidemia.

Vários comentaristas condenaram a Veja – conhecida como meio de comunicação de direita – por vender acriticamente essas imagens alarmistas em sua reportagem de capa. A revista, argumentaram os críticos, também desconsiderou cinicamente seu papel como protagonista principal na deposição de 2016 da presidente Dilma Rousseff, que resultou em caos econômico e social. Os editores da Veja focaram no zika, enquanto ignoraram como as medidas de austeridade, incluindo cortes nos principais programas sociais como o Bolsa Família, instituídos pelo presidente interino Michel Temer (2016-2018), impulsionaram o aumento das taxas de mortalidade infantil.

A capa da Veja também chamou minha atenção como historiadora do Brasil do século XX, interessada na pesquisa de laços entre saúde materna e infantil e construção da nação. Fiquei particularmente intrigada com o reaproveitamento da alegoria de Portinari de a criança morta no contexto do século 21 e seus vínculos com a epidemia de zika-microcefalia. A capa da Veja também me lembrou uma conversa que tive com um acadêmico Brasileiro nos estágios iniciais de minha pesquisa. Ele me alertou para estar atenta a como reproduzo a metáfora da criança morta, aconselhando-me a não usar imagens do arquivo de crianças mortas, debilitadas ou abjetamente pobres “como espetáculos” em meu trabalho. Ele listou vários exemplos de estudiosos norte-americanos que projetaram tal imagem em seus trabalhos nos últimos anos. De fato, quando pesquisei as publicações em minha prateleira, vi várias iterações de a criança morta me encarando. Essa conversa me forçou a confrontar a política que envolve o “fazer história” como uma estrangeira no Brasil e como a circulação de imagens do passado pode ter conseqüências não-intencionais no presente.

Este ensaio considera o surgimento da criança morta – uma abreviação para a representação onipresente de crianças mortas, morrendo ou doentes – em vários momentos da história do Brasil e examina a história de seu ressurgimento doméstico e global como uma das muitas histórias complexas de zika. Pretendo traçar como a imagem e a idéia da criança morta emergidas após a epidemia do vírus zika e microcefalia fetal fazem parte de uma longa série de assombrações na história do Brasil. No entanto, também argumento que a era pós-zika representa uma ruptura com o passado – em que as energias e vozes resilientes de mães e crianças ofuscam os ecos da criança morta.

Ao longo da história recente do país, várias iterações da criança morta surgiram em momentos críticos para marcar a modernização do Brasil como ilusória, como uma fachada que oculta uma realidade macabra. Ela atua como um nexo entre passado e presente e entre o que o sociólogo francês Jacques Lambert identificou como “os dois Brasis”: um imaginado como florescente e moderno e, o outro, vacilante e retrógrado. Sua presença duradoura lembra aos brasileiros que a decadência se esconde logo abaixo da superfície, esperando agarrar o país de volta após sua longa ascensão. E, ao contrário do provérbio do século XVI de Thomas Becon, de que “os mortos não podem revelar segredos”, no Brasil, a criança morta fala muito.

Por exemplo, não é por acaso que o célebre músico Caetano Veloso invoca a  criança morta em seu manifesto condenando a fachada dos esforços de modernização durante os primeiros anos da ditadura militar. Na música “Tropicália“, lançada em 1968, Veloso canta que, por trás da grandeza futurista da nova capital e do palácio nacional do Brasil, em Brasília, encontra-se uma criança morta de joelhos, estendendo a mão. Para Veloso, a letra expressava a ironia da visão utópica da modernidade, incorporada por Brasília, sobreposta à realidade arcaica e monstruosa da pobreza e da morte.

E, mais recentemente, a criança morta ressurgiu durante os Jogos Olímpicos de Verão de 2016, realizados no Rio de Janeiro. A realização de uma cerimônia secundária de iluminação da tocha perto da icônica igreja Candelária da cidade – o local do massacre policial de 6 crianças de rua em 1993, entre outras causalidades – ocultou a história trágica da região e a memorialização pública da morte de crianças, “rebatizando-a de Boulevard Olímpico ”(Gumucio e Schmidt 2018: 73).

Memorial do Massacre da Candelária – Rio de Janeiro. Foto pela autora.

Durante o evento, músicas animadas e fogos de artifício distraíram o olhar do público dos seis corpos vermelhos, crianças mortas, que haviam sido pintados na calçada perto da igreja em 1993 para arquivar a violência do estado. Enquanto os brasileiros e o mundo aplaudiam as Olimpíadas como mais uma alusão ao progresso e desenvolvimento, a criança morta estava fora de vista. Esta ocasião serviu como um lembrete macabro de que essa ascensão momentânea ao cenário mundial não apenas suplantou a memória do massacre, mas também perpetuou seu violento legado através do uso de operações similares de “limpeza” da polícia que atacavam e matavam jovens, principalmente negros, que vivem na região em preparação para as Olimpíadas.

Como protagonista do que Débora Diniz chama de “terceiro capítulo” da história do zika – uma fase de recuperação e resposta – a criança morta revela como a epidemia do zika reanimou as ansiedades de longa data sobre como a mortalidade e a morbidade infantil colocam em risco a nação, seu lugar no mundo, e seu futuro.

A primeira evocação à criança morta surgiu no início de 2016, quando o fotojornalista brasileiro Felipe Dana capturou uma das imagens mais amplamente divulgadas da crise do zika-microcefalia. A foto capturou José Wesley Campos, de quatro meses, tomando banho em um balde de plástico. Eventualmente conhecido na mídia como o “bebê do balde” e o “bebê pôster” para o zika, a fotografia de Dana ofereceu aos telespectadores de todo o mundo um olhar profundamente íntimo ao custo humano que o vírus trás.

Tais imagens provocaram uma série de respostas nacionais e internacionais ao zika. A jornalista Patrícia Campos Mello argumenta que a blitz da mídia com imagens de bebês microcefálicos galvanizou a atenção internacional de pesquisadores médicos, autoridades de saúde e público em geral. Ela comparou com a fotografia do “garoto na praia” que chamou a atenção global para a crise de refugiados sírios em 2015.[1] As fotografias de Dana, embora não retratem uma criança morta, evocam a idéia da criança morta, retratando o Brasil como hostil à reprodução e vida incipiente.

Street art depicting Alan Shenu in Sorocaba, São Paulo, Brazil

De fato, as imagens do “bebê do balde”, assim como outras retratando bebês afetados pelo zika, alimentaram diretamente os medos nacionais e internacionais sobre o Brasil sediar os Jogos Olímpicos/Paraolímpicos de Verão. Enquanto a fotografia circulava na mídia, vários atletas conhecidos citaram diretamente a ameaça potencial que o zika representava à sua reprodutividade. Apesar da mídia internacional focar nos riscos para as mulheres grávidas, a maioria dos atletas que se recusaram a participar dos jogos eram homens.

O golfista sul-africano Charl Schwartzel, entre muitos outros, citou ansiedades sobre o vírus que afetaria as futuras gestações de sua esposa, afirmando: “se eu não quisesse ter filhos, ou se fosse solteiro, jogaria”. John Speraw, técnico da equipe de vôlei dos EUA, declarou que congelaria o esperma antes dos jogos, caso contratasse o vírus. Para esses participantes, o flagelo da microcefalia por zika, apesar dos menores riscos de contágio no Rio de Janeiro, criou um imaginário no qual o espectro da criança morta do Brasil, prefigurado por imagens como o “bebê do balde”, poderia comprometer sua própria progênie.

Esses medos dominaram as narrativas tradicionais sobre o Zika e as Olimpíadas, mais uma vez envolvendo o país sob o espectro da criança debilitada e atingida. É fundamental observar que essas perspectivas de atletas brancos e estrangeiros do sexo masculino abafaram as vozes dos mais afetados pela epidemia de microcefalia do zika: mulheres negras e pobres que vivem no nordeste do Brasil.

Quase um século antes, medos e ansiedades semelhantes sobre a criança morta surgiram sobre outro evento internacional que trouxe o público internacional para o Brasil. Durante o Centenário da Independência de 1922 – um evento que atraiu quase 300.000 visitantes de todo o mundo – os organizadores esperavam liderar a marcha do país em direção à modernidade, minimizando as realidades cruas da alta mortalidade infantil e do bem-estar infantil (Wadsworth e Marko 2001). O evento incluiu um foco especial em crianças, na forma de um Museu da Criança, que exibiu os avanços médicos e filantrópicos que o Brasil fez na melhoria do bem-estar infantil desde sua independência em 1822. Os organizadores esperavam transmitir o Brasil como um moderno pater-patriae, um nação paternalista que via a proteção de suas gerações mais jovens como o ponto principal do progresso (Wadsworth e Marko 2001).

No entanto, apesar de todos os seus gestos performativos em relação à saúde e bem-estar infantil, a celebração do Centenário de 1922 escondeu o lado obscuro da transição do Brasil no século 20 para uma nação ‘moderna’. Diferentemente da maioria de seus vizinhos da América do Sul e dos países que suas classes mais altas esperavam imitar (Estados Unidos e Europa Ocidental), a taxa de mortalidade infantil no Brasil não mostrou sinais de declínio. Os registros disponíveis revelam que cerca de 1/5 dos bebês morreram antes de atingir a idade de um ano, elevando a taxa nacional de mortalidade infantil a 200 por 1.000 nascidos vivos.[2]

As taxas de mortalidade regionais, particularmente no Nordeste, foram consideravelmente mais altas, chegando a quase 350 por 1.000 nascidos vivos. Em um relatório resumindo a Exposição do Centenário de 1922, o Dr. Fernandes Figueira escreveu que a taxa de mortalidade infantil do Brasil colocou o país em “condições humilhantes de inferioridade” em relação à maioria das nações ocidentais “civilizadas”. Ecoando esse sentimento, os organizadores subestimaram explicitamente a alta mortalidade infantil na Exposição do Centenário. Por outro lado, enfatizaram o que viam como as robustas taxas de fertilidade do Brasil e baixas taxas gerais de mortalidade. Uma exibição, em particular, acusou o Brasil de um país cuja taxa de natalidade excedia auspiciosamente sua taxa de mortalidade. O gráfico omitiu convenientemente qualquer menção às impressionantes taxas de mortalidade infantil do país.

“O Brasil Amado”, Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro

A oclusão estratégica da criança morta no centenário de 1922 falou muito sobre as maneiras pelas quais o Brasil esperava se projetar como parte do moderno “concerto das nações”. Em forte contraste com a realidade das altas taxas de mortalidade e morbidade infantil, a imagem do Centenário lança uma geração de bebês brancos e saudáveis ​​como a quintessência de “Ordem e Progresso”. A criança retratada aqui contrapõe a criança morta, enquanto também sinaliza um triunfo sobre o passado pré-colonial do país, simbolizado pela figura indígena.

Voltando ao uso da Revista Veja da pintura de Portinari em 2018, descobrimos que esse número continua a evocar profundas ansiedades sobre o estado do desenvolvimento do Brasil e às maneiras pelas quais crianças mortas e doentes geralmente representam o país. Na década de 1940, os comentaristas sociais temiam que as pinturas de Portinari projetassem a idéia, especificamente na Europa, de que o Brasil era um deserto tropical hostil à vida jovem.

Da mesma forma, em 2018, alguns comentaristas brasileiros se preocuparam com a recirculação da pintura de Portinari na capa da Veja. Um artigo alegou que a arte da capa “expôs um país devastado pela crise (do vírus zika), enredado com doenças do passado”. Em ambos os contextos, esses medos giravam em torno do esconderijo simbólico de uma criança morta cuja presença simbólica trans-histórica mina as aspirações do Brasil (principalmente as aspirações de brasileiros de classe alta) por modernidade, prosperidade e o imperativo nacionalista de “ordem e progresso”.

Hoje, no entanto, do outro lado da epidemia da microcefalia por zika, alguns brasileiros estão remodelando o tropo da criança morta em a criança viva, cujo destino não é predeterminado pelos roteiros do passado. Por exemplo, em 2019, a fotógrafa Andréa Leal criou uma exposição pública de fotos, “Toda Criança é Especial”, apresentando crianças afetadas pela microcefalia pelo vírus do zika. Inaugurada no estado de Pernambuco, uma das regiões mais afetadas pela epidemia, Leal esperava combater as narrativas hegemônicas de sofrimento associadas à microcefalia-zika. Em vez disso, ela projeta imagens, em suas palavras, “de coragem, triunfo, solidariedade e, acima de tudo, amor”.

Seu trabalho se une aos esforços de grupos de empoderamento social fundados regionalmente, como a União de Mães de Anjos. Formado por duas mães em uma região atingida no nordeste do Brasil em 2015, antes da epidemia em grande escala, o grupo fornece recursos e uma rede de apoio às famílias que procuram cuidar de seus filhos. Hoje, sua rede de parceiros atendeu mais de 400 famílias. E, como Eliza Williamson nos lembra, esses esforços se conectam a outros projetos de narrativa, como oAfter Zika, que centraliza as experiências e as vozes das famílias afetadas pela epidemia.

Essas iniciativas não ajudam apenas a romper a patologia duradoura da criança morta, mas contribuem para um novo capítulo na complexa antologia de histórias de Zika. Exprimida da perspectiva dos mais incorporados à epidemia e suas conseqüências, como mães e filhos na região nordeste do Brasil, essa nova história pode finalmente colocar a criança morta para descansar.


[1] Curiosamente, um artista de rua em Sorocaba, no Brasil, pintou uma imagem do “menino na praia”, Aylan Kurdi (Alan Shenu) em 2015.

[2] Embora os censos federais realizados em 1890 e 1920 tenham revelado algumas tendências, os dados sobre mortalidade infantil permaneceram incompletos devido, em grande parte, à lacunas significativas no registro de nascidos vivos. Analise, por exemplo, Mara Loveman, “Blinded Like a State” (2007). Para referência do leitor, as taxas estimadas nos Estados Unidos foram de cerca de 80 por 1.000 nascidos vivos em 1920.


Cari Maes is an historian and Assistant Professor of Women, Gender, & Sexuality Studies at Oregon State University. Her current book project traces the development and rollout of Brazil’s first national maternal and infant health program in the 1940s. She has also written on the implications of this period for understanding Zika and reproductive rights in Notches: (re)marks on the History of Sexuality.

Cari Maes é uma historiadora e professora de Estudos de Gênero, Mulheres, e Sexualidade na Oregon State University. O seu projeto atual analisa o desenvolvimento do primeiro sistema nacional de saúde maternal e infantil durante a época do Vargas (nos anos 40). Ela também escreveu sobre o Zika e a história dos direitos reprodutivos no Brasil em Notches: (re)marks on the History of Sexuality.


One Response to A Criança Morta: A Specter of the Past in the História of Zika

  1. Pingback: A Criança Morta: A Specter of the Past in the História of Zika | Latest news about (global) epidemic or disease outbreak

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *